A importância da recuperação física no pós-parto

O pós-parto é um período de adaptação em várias vertentes (hormonais, físicas, psicológicas, sociais, económicas, etc) e por isso a primeira coisa a ter em conta nesta fase é a necessidade de tempo e espaço para lidar com a mesma.
Durante a gravidez, várias são as mudanças que ocorrem no corpo da mulher. Estas vão surgindo de forma gradual e são constantes até ao dia do parto.

O pós-parto continua a ser uma fase de transformação e esta também é progressiva, o corpo precisa de tempo para recuperar das alterações decorrentes da gestação e para se adaptar às novas. Portanto, mães sejam amigas de vocês mesmas porque com o tempo e a atitude certa a recuperação será a melhor.

Quando nos centramos na recuperação física após o parto, existem vários aspetos a ter em conta, como por exemplo a história obstétrica (tipo de parto, eventuais complicações durante ou após o parto), a postura, a força muscular (principalmente dos músculos abdominais e dos músculos do pavimento pélvico – músculos que formam a base/”chão” da pélvis), diástase abdominal (distância inter retos abdominais), função urinária, fecal e sexual, queixas álgicas (dor/desconforto cervical, lombar e/ou pélvico)....

Um excelente aliado para ajudar no processo de recuperação é, sem dúvida, o retorno ou início da prática de exercício, tendo benefícios quer a nível físico, quer a nível psicológico. Muitas mães perguntam-se qual será a melhor altura para o iniciar, o que é aconselhado é que seja após a consulta do puerpério (realizada normalmente entre a 4ª e a 6ª semana após o parto), caso não exista indicação em contrário. Na verdade, cada mulher é única, assim como a sua história. Tendo isso em conta é relevante saber que também os tempos de recuperação são diferentes, sendo importante uma avaliação completa e preferencialmente multidisciplinar (médico, enfermeiro, fisioterapeuta, técnico de exercício), podendo-se assim indicar qual a melhor forma de treinar após o parto.

É, por isso, essencial referir que nem todo o tipo de exercício é aconselhado e nem todas as mães estão no mesmo patamar relativamente ao que devem ou não fazer. 
Idealmente, a mãe deve procurar profissionais especializados para a acompanhar, que tenham em conta as suas necessidades/objetivos e que possam esclarecer da melhor forma as dúvidas que possam surgir durante esta nova etapa da sua vida.

 

Alexandra Silva

Fisioterapeuta na Área da Saúde da Mulher

mim - Clínica do Desenvolvimento